Equipe do IMA realiza fiscalização na APA do Catolé e Fernão Velho

Ações de monitoramento e fiscalização deverão ser intensificadas na região nos próximos dias

Elayne Pontual

A equipe da Gerência de Fauna, Flora e Unidades de Conservação do Instituto do Meio Ambiente (IMA) realizou, na manhã desta terça-feira (22), uma vistoria na Área de Proteção Ambiental (APA) do Catolé e Fernão Velho. A ação foi motivada por denúncias de que haviam pocilgas irregulares lançando efluentes sem tratamento na região.

Segundo informações do assessor ambiental da APA, Marco Diniz, durante a ação os técnicos encontraram uma pocilga em Rio Novo, que recentemente havia sido interditada pelo órgão, funcionando de forma irregular. “Autuamos os responsáveis em R$ 28 mil por reincidência e demos um prazo de 30 dias para que se desfizessem dos animais”, explicou o assessor.

No mesmo dia os fiscais encontraram uma fábrica de refrigerante operando sem licença ambiental. Os responsáveis foram autuados em R$ 28 mil por descarte de efluentes, como soda cáustica, sem tratamento. De acordo com Marco, as substâncias estavam sendo descartadas em um esgoto que desaguava em área de várzea. “O empreendimento não tinha fossa, nem estação de tratamento”, disse Marco.

Animais silvestres e aterro irregular

Os técnicos estiveram, na última segunda-feira (21), na APA do Catolé e Fernão Velho para monitorar a região e encontraram cerca de 30 pássaros silvestres mantidos em cativeiro de forma ilegal. Entre as aves encontradas, os fiscais apreenderam espécies como maracanã, guriatã, sabiá e um casal de tuim.

Algumas aves foram apreendidas em residências particulares e os responsáveis assinaram um Termo de Entrega Voluntária. Após avaliação clínica, física e comportamental, os pássaros que estavam em boas condições foram reintroduzidos na natureza. Já os animais que não estavam em condições de solturas, foram transferidos para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), no Ibama.

Ainda na segunda-feira, a equipe identificou um aterro irregular em Área de Proteção Permanente (APP), na margem da laguna Mundaú, em Fernão Velho. O responsável recebeu um termo de advertência e foi solicitada a remoção do material. “Como a área já era antropizada e já existia uma edificação, não autuamos. Ma se voltarmos e o aterro ainda estiver ativo, haverá penalização”, alertou Marco.

A APA do Catolé e Fernão Velho é uma Unidade de Conservação de uso sustentável, criada em 1992, possui 3.817 hectares distribuídos entre os municípios de Satuba, Santa Luzia do Norte, Coqueiro Seco e Maceió.

670 Total Views 1 Views Today