Segunda divulgação trimestral das espécies exóticas e nativas e suas possibilidades de uso

Qualquer atividade que envolva a supressão de vegetação nativa depende de autorização, seja qual for o tipo (Mata Atlântica ou Caatinga) e estágio de desenvolvimento. Para realização do corte, é obrigatória prévia autorização do órgão estadual competente, sendo necessário dar entrada em processo específico.

A Autorização para Supressão de Vegetação (ASV) é o tipo de licença ambiental obrigatória para os casos onde há necessidade de suprimir vegetação nativa para uso alternativo do solo, para construção de empreendimentos, para exploração florestal, vinculadas ou não a um licenciamento ambiental, como também para supressão de árvores nativas isoladas.

As espécies nativas são aquelas que estão em seus locais de origem, tendo sua preservação e conservação resguardada pela Lei 12.651/2012. Algumas espécies apresentam grande valor para a exploração econômica como o Pau-Brasil, Angico, Sucupira, Cedro, Sabiá, entre outras.

Já as espécies exóticas são aquelas que foram introduzidas ou invadiram locais diferentes de sua origem, mas apresentam grande adaptação e resistência, como a Mangueira, Jaqueira, Eucalipto, entre outras. No caso do corte de espécies exóticas, não é obrigatório a emissão de autorização.

A documentação exigida encontra-se neste link. A seguir, uma lista atualizada com as espécies nativas e exóticas e suas possibilidades de uso no Estado de Alagoas:

Nativas:

Sabiá (Mimosa Caesalpinifolia)
Família: Fabaceae
Uso Econômico: Estacas, caibros, produção de carvão.

Angico (Anadenanthera columbrina)
Família: Fabaceae
Uso Econômico: Madeira serrada, produção de lenha e carvão.

Pau-Brasil (Paubralisiaechinata)
Família: Fabaceae
Uso Econômico: Madeira de alto valor, empregada na confecção de arcos de violino.

Cedro (Cedrelafissilis)
Família: Meliaceae
Uso econômico: Móveis finos

Caju (Anarcadiumoccidentale)
Família: Anacardiaceae
Uso econômico: Frutos, produção de lenha.

Ipê-Rosa (Handroanthusimpetiginosus)
Família: Bignoniaceae
Uso Econômico: Destinada a móveis de luxo.

Mulungu (Erytrina velutina Willd. e Erytrina verna Vell.)
Família: Fabaceae
Uso Econômico: Indicada para reflorestamento.

Aroeira ou Aroeira Vermelha (Schinus terebinthifolia Raddi)
Família: Anacardiaceae
Uso Econômico: Formulação de cosméticos e medicamentos,  seus frutos são utilizados como condimento.

Pitomba/ Pitombeira (Talisia esculenta (Cambess.)Radlk.)
Família: Sapindaceae
Uso Econômico: Alimentação e confecção de licores.

Mangabeira (Hancornia speciosa Gomes)
Família: Apocynaceae
Uso Econômico: Consumida in natura ou como polpa para sucos, sorvetes compotas e licores, produz também látex.

Umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda)
Família: Anacardiaceae
Uso Econômico:Utilizada como alimento in natura ou na produção de sorvetes, doces e na tradicional “umbuzada”.

Jenipapo (Genipa americana L.)
Família: Rubiaceae
Uso Econômico: Extração de tinta para pintura e alimento em forma de compotas, doces, xaropes e licor. Indicado para reflorestamento. Madeira utilizada na construção naval e civil.

Fruta Pão (Artocarpus altilis (Parkinson) Fosberg)
Família: Moraceae
Uso Econômico: Frutos utilizados na produção de farinha e castanha. Madeira utilizada na confecção de forros, portas e instrumentos musicais.

Exóticas:

Eucalipto (Eucalyptussp)
Família: Myrtaceae
Uso Econômico: Diversificado, de fabricação de essências, fonte de energia ao uso na construção civil.

Mogno Africano (Khayasp)
Família: Meliaceae
Uso econômico: Produção de móveis e instrumentos musicais.

Algaroba (Prosopisjuliflora)
Família: Fabaceae
Uso econômico: Alimentação de animais, Estacas.

Mangueira (Mangifera indica)
Família: Anacardiaceae
Uso econômico: Frutos e lenha.

Jaqueira (Artocarpusheterophyllusi)
Família: Moraceae
Uso econômico: Frutos, fabricação de móveis e lenha.

Coqueiro (Cocos nucifera)
Família: Arecaceae
Uso econômico: Frutos, folhas, casca do fruto, caule como suporte de embarcações.

1373 Total Views 2 Views Today