Piscinas Naturais da Pajuçara recebem implementação e realocação de materiais

Ação foi realizada pelo IMA em parceria com a Colônia Z1, o intuito é garantir visitações conscientes e sem danos aos corais

Dálet Vieira

Nesta segunda-feira (21), o Gerenciamento Costeiro (Gerco) do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA/AL), em parceria com a Colônia Z1, realizaram a implementação de materiais para sinalização e fundeio das jangadas nas Piscinas Naturais da Pajuçara. O objetivo é garantir visitações conscientes e que não prejudiquem os recifes de corais do local.

Durante a ação, novas boias e amarrações foram colocadas. Também foram realizadas a realocação das poitas, que são estruturas de concreto com cerca de 300 quilos, além da reposição de cabos.

Instalação de materiais nas Piscinas Naturais da Pajuçara. Foto: Ascom IMA/AL

Segundo Ricardo César, Coordenador do Gerco do Instituto, as poitas servem para que as âncoras das jangadas não venham a danificar os corais. Enquanto que as boias demarcam os locais, sendo úteis na segurança das pessoas e embarcações.

“Vamos continuar essa ação em conjunto com a Colônia Z1, ainda existe a necessidade de mais colocações de cabos novos. Há anos realizamos o ordenamento do uso das piscinas naturais para atendermos a Lei de Crimes Ambientais”,expõe César, determinando a continuidade e necessidade das ações.

O Coordenador do Gerenciamento Costeiro explica ainda que a Lei de Crimes Ambientais não permite lançamento de âncoras sobre os bancos de recifes de corais, pois esse tipo de prática acarreta em severos danos ao ambiente marinho.

Para evitar esse crime ambiental, o IMA instala e monitora esses materiais, além de promover educação ambiental para sensibilizar a população sobre essas práticas.

112 Total Views 2 Views Today